Foto-Ildebr 01

  Foto-Ildebrando_04-05-2017Ildebrando T. S Gozzo, diretor geral da ST Corretora de Seguros

Diretor da ST Corretora de Seguros explica os detalhes dos diversos serviços disponíveis para o mercado de locação de veículos

As locadoras de veículos já dispõe de empresas especializadas no setor que prestam vários serviços de apoio, que vão desde a contratação do seguro da frota, passando pela assistência 24 horas, rastreamento, desativação e comercialização dos ativos, tudo centralizado em um único fornecedor.

De acordo com Ildebrando T. S. Gozzo, diretor geral da ST Corretora de Seguros, no mercado desde 1995 e que presta esses serviços a diversas empresas do setor, o tipo de cobertura de seguro mais demandada pelas locadoras é de danos materiais e corporais causados a terceiros, bem como as coberturas de assistência 24 horas para o veículo segurado. “Entretanto, é possível contratar nas apólices de responsabilidade civil a cobertura de danos morais e de acidentes pessoais por morte e invalidez permanente para os ocupantes do veículo. Entendemos que um valor mínimo razoável para as coberturas de danos materiais e de danos corporais a terceiros deveria ser de R$ 100 mil, incluindo cobertura para danos morais de R$ 20 mil. No seguro do casco, há a opção por contratação de importância segurada de 80% a 110% da Tabela Fipe”, explica.

A ST Corretora verificou que neste ano houve maior procura pelo seguro total de veículos por locadoras de pequeno/médio porte. Já a demanda por seguro de responsabilidade civil por danos materiais e corporais causados a terceiros permaneceu estável, porém com procura de importâncias seguradas maiores diante da percepção do maior risco de indenizações de média e grande monta.

Segundo o diretor, como as seguradoras tomam como base a sinistralidade para aceitar e precificar as apólices, as locadoras podem reduzir o custo com seguros de terceiros fazendo uma gestão eficaz dos riscos, adotando iniciativas que incentivem os locatários/condutores dos veículos a uma direção responsável. “Algumas iniciativas têm sido eficazes na gestão dos riscos. Por exemplo nas terceirizações de frotas, quando da entrega do veículo, determinar uma condição prévia de preço de venda em relação à Tabela Fipe, para que o condutor possa adquirir o veículo no final da vigência do contrato; orientação, ao locatário, para que transfira o ônus da participação no sinistro estabelecido no contrato de locação para o usuário do veículo quando este for culpado no acidente”, orienta.

Há determinados tipos de cobertura que as seguradoras costumam restringir, tais com o seguro com cobertura total e exclusividade de responsabilidade civil a terceiros nas terceirizações de frotas. Existem setores que envolvem maior risco, como telefonia, energia, vigilância, segurança, bombeiros, polícia, ambulância e Uber. Nesses casos o valor do prêmio costuma ser maior. “Cabe ressaltar que a elevada sinistralidade e/ou sua expectativa desfavorável, é fator determinante para aceitação ou recusa de um risco pelo mercado segurador. Uma inadequada precificação, com redução de custos abaixo do preço efetivo do risco, pode levar uma apólice a um péssimo resultado e a dificuldade de sua renovação”, contextualiza Ildebrando.

                                                                                                                                                                        Rastreamento, desativação e desmobilização de frota

A decisão de instalar rastreadores nos veículos requer uma análise prévia, não só do custo, como também quais serviços se pretende incluir. “Nos contratos de rent a car, o objetivo maior da instalação destes equipamentos é a segurança, em especial, contra os crimes de roubo, furto, furto qualificado mediante fraude, apropriação indébita e estelionato. Já nos contratos de terceirização pode ocorrer também a necessidade de gestão da frota locada pelo locatário, a fim de realizar o monitoramento dos veículos sob a responsabilidade de seus funcionários”, afirma.

Segundo o diretor da ST Seguradora, o serviço de desativação de frotas consiste na vistoria de devolução dos veículos para a locadora no fim do contrato de locação para verificação de eventuais avarias. O Cesvi Brasil (www.cesvibrasil.com.br), que é um centro de experimentação e segurança viária, possui um dos melhores serviços de vistoria e de orçamentação de avarias do país. O serviço do Cesvi contribui para a boa solução dos contratos de locação e maximização dos resultados das locadoras. O custo desse serviço é determinado por veículo/lote a ser desativado, havendo necessidade de consulta prévia.

Já em relação à desmobilização de frota, cada locadora adota uma ou mais ferramentas disponíveis, tais como venda individual ou por lote para concessionárias e revendas multimarcas de veículos ou através de empresas de leilão. Outra alternativa, em especial àquelas que possuem estrutura para a venda dos veículos diretamente ao consumidor final, são os portais de anúncios de veículos seminovos, cujo custo é variável em função do modelo de negócio dos portais. “A ST Motors (www.stmotors.com.br), possui intenso acesso de pessoas interessadas na aquisição de veículos de locadoras, sendo que as locadoras que possuem seguro através da ST Corretora de Seguros não têm custo algum para anúncio de seus veículos no portal”, reitera.

Todas essas atividades constituem facilidades para locadoras de qualquer tamanho e podem ser contratadas separadamente de acordo com as necessidades, facilitando muito a gestão da operação.

Compartilhe