Os altos valores cobrados pelas seguradoras de veículos, muitas vezes proibitivos dependendo da cidade e região, têm estimulado o surgimento de cooperativas e associações que oferecem “proteção veicular”. Trata-se de uma prática à margem da lei, sem autorização legal ou qualquer regulamentação, mas que tem atraído pessoas físicas e jurídicas.

Em contundente discurso no plenário da Câmara Federal, o deputado Lucas Vergílio (SD-GO), que também é presidente do Sindicato dos Corretores e Empresas Corretoras de Seguros no Estado de Goias (Sincor-GO) e vice-presidente da Federação da categoria, a Fenacor, fez um alerta aos parlamentares, às autoridades e à sociedade em geral sobre os riscos que envolvem a contratação de uma “proteção veicular”. “Refiro-me às associações e cooperativas que comercializam a chamada ‘proteção veicular’, fazendo-se passar por empresas legais de seguros para enganar incautos. Essas associações e cooperativas vêm sendo, inclusive, alvo de ações da Polícia Federal em todo o Brasil”, alertou o parlamentar.

Os consumidores contratam a proteção veicular dessas associações mas muitas vezes não são ressarcidos na ocorrência de um sinistro, seja um acidente de trânsito, furto ou roubo do veículo. Infelizmente essa prática irregular está se popularizando, inclusive entre as locadoras de veículos que, atraídas pelos preços mais baixos, acreditam estar realizando os seguros dos veículos com tais entidades, mas correm sérios riscos de deixar seu patrimônio vulnerável, já que não terão as garantias de cobertura de uma seguradora de verdade.

Compartilhe