Presidentes dos Sindiloc do Paraná, Michel Lima, Santa Catarina Eduardo Guedes, São Paulo Eládio Paniágua, o vice-presidente do Rio Grande do Sul Daniel Schneider,  e o presidente da ABLA Paulo Miguel Junior, participaram da Reunião do Interior do Sindiloc PR, no dia 31 de agosto, em Foz do Iguaçu.

Entre os assuntos tratados, destaca-se o fim do imposto sindical que reduziu as receitas dos sindicatos patronais e ainda mais do sindicato dos trabalhadores com efeito na negociação da CCT. “Isso dificultou o fechamento da CCT com a Fetravisp”, disse o presidente do Sindiloc-PR. O vice-presidente, Carlos Cesar Rigolino Junior, ressaltou que embora os sindicatos laborais tenham se tornado fonte de problemas, organizando greves e dificultando as negociações no Congresso, são necessários para assinar as convenções coletivas e manter cláusulas importantes da operação das empresas como: reajuste salarial pelo INPC, compensação de horas, redução de intervalo de almoço, divisão das férias, regulamentação do vale alimentação/refeição com possibilidade de alimentação em refeitório no local de trabalho entre outros pontos possíveis de regulamentação negociada.

Referente aos cursos e treinamentos, Rigolino relatou que durante este ano, numa parceria com a ABLA, foram ministrados pela Uniabla os cursos: Preço Justo/ABLA – em maio, Contabilidade para não Contadores Módulo I – em junho, Multas e Análise Prática de Sinistros de Trânsito, em setembro; e que teremos ainda o “Pregão On Line”, previsto para em novembro. Falando sobre o valor das taxas para serviços no Detran/PR lembrou que desde julho de 2015 o Paraná é um dos mais caros do país para o registro de veículos, sendo aproximadamente R$ 270 mais caro do que em Minas Gerais, por exemplo. O presidente Michel Lima, acompanhado de membros da diretoria Sindiloc, vêm desenvolvendo um trabalho incansável, apresentando dados e levando propostas para tentar resolver essa questão.  “Em conjunto com a Fenabrave e o Sindicato dos Despachantes, já participamos de 11 reuniões realizadas no Detran, Casa Civil e na SEFA (Secretaria de Fazenda Estadual), sempre com este objetivo – redução de valores. E apesar de aprovação de lei em dezembro de 2017, que possibilita a redução dessas taxas, a burocracia estadual ainda não aprovou sua aplicação a fim de permitir às locadoras paranaenses custos mais competitivos para enfrentar Minas Gerais, de forma que as grandes locadoras continuam a emplacar seus carros naquele estado”.

A necessidade de reconhecimento de firma por autenticidade/verdadeiro do comprador para apresentação de Comunicação de Venda de Veículo para o Detran-PR, também foi tema abordado. “Tentamos derrubar a portaria 001/2018, que traz dificuldades operacionais e um retrocesso de quatro anos para o Paraná ao ressuscitar uma obrigação que já tinha sido dispensada na portaria 002/2014 do mesmo órgão”, destacou Michel Lima.  A respeito do assunto apropriação indébita, a diretoria do Sindiloc recebeu diversas reclamações de afiliados com relação a este assunto e tomou diversas ações. Solicitou e foi recebida em reunião no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), para avaliar ações contra venda de veículos subtraídos de locadoras por apropriação indébita. “Porém, como não é possível tipificar uma ação coordenada dos estelionatários o órgão não se comprometeu a investigar especificamente o problema, mas ficou de encaminhar os documentos apresentados para a delegacia competente”, explicou. O Sindiloc-PR encaminhou ofício à Corregedoria de Polícia do Paraná solicitando orientações às Delegacias de Polícia para o registro de apropriação indébita, como “furto mediante fraude”, a fim de que o veículo entre na base de consulta das polícias estaduais permitindo a recuperação em menor prazo. Rigolino comentou que na tentativa de achar uma solução para o problema, que este precisa ser combatido principalmente com a prevenção, o Sindiloc-PR buscou uma solução tecnológica de análise de risco de clientes. “A ideia foi criar um sistema para combater a apropriação indébita através de uma central de informações entre as locadoras que apontasse comportamentos atípicos de clientes criando um alerta para o gestor.” Comentou que as quadrilhas vêm fazendo diversas locações simultâneas em empresas diferentes, em várias cidades, num curto período de tempo, o que dificulta a percepção do golpe que, quando descoberto, já fez muitas vítimas.  “Com base nesse comportamento das quadrilhas procuramos uma solução para minimizar os riscos da locação para novos clientes, um instrumento para auxiliar as locadoras na tomada de decisão na aprovação de cadastro” comentou Rigolino. O Sindiloc, então, contatou a empresa RDCar que desenvolveu o sistema e operacionalizou o seu funcionamento.

Na sequência, foi apresentado o projeto batizado de Siscon  Locadoras – Sistema de Consultas que terá a missão de integrar as informações do maior número possível de locadoras para que possa ter sucesso.  Numa segunda fase, o Siscon será ampliado, possibilitando a consulta automática da situação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do locatário com informações sobre validade, pontuação, situação (suspensa, cassada ou regular), e autenticidade. Isso atualmente não é possível devido a diferenças de tratamento das informações de cada Detran, de forma que o Sindiloc-PR está tentando aprovar um acesso da RDCar às informações diretamente no sistema Denatran, via Serpro.

Momento GM

A General Motors, como parceira e patrocinadora do evento, trouxe o gerente Regional de Vendas Diretas Weslen Peres que apresentou gráficos sobre a evolução dos produtos e o crescimento da participação em vendas diretas segmento. O representante da Chevrolet Serviços Financeiros, Kayme falou dos fortes objetivos do Banco GM em interagir e ajudar as locadoras com linhas de crédito mais acessíveis do que os bancos comerciais. Ao fim foram aprovadas Condições Especiais de desconto para todas as associadas Sindiloc PR.

Palestra Mobilidade

Foi ministrada a palestra Mobilidade, pelo diretor de Marketing & Vendas da GolSat e Instituto Parar, Flávio Henrique Tavares Tribusi. Com foco na inovação, na criatividade das novas gerações e na valorização das pessoas o palestrante manteve a plateia atenta e participativa. Falou sobre a importância das pessoas e empresas acompanharem a contínua evolução do mercado, a necessidade de inovação, de fazer o diferente sem descuidar do aspecto ético.

Compartilhe